Sempre fiz para mim próprio as anilhas de madeira e corda que me seguraram os diferentes lenços de ESCUTEIRO que tive ao pescoço nos últimos 33 ANOS.
Foram surgindo tantos pedidos que resolvi dedicar o meu tempo livre a construir anilhas, essencialmente de cana e madeira, num processo totalmente artesanal e laborioso.

Tradutor

quinta-feira, 28 de maio de 2015

PORMENORES

De vez em quando, "solto" uns pormenores do meu trabalho artesanal. Desta feita o pormenor da passagem da ideia no papel (com diferentes ajustes para a escala final ser a melhor possível) á peça concretizada, já em processo de secagem!

Volto em breve com o início da postagem de anilhas feitas durante o ano de 2014, que eu considero muito importante no sentido em que se registou uma evolução em todos os sentidos das peças que construí e vendi.

Esse foi também o ano em que refleti bastante sobre o que é isto de fabricar peças de artesanato escutista recusando propostas para a construção em série e restringindo ao máximo possível a repetição de modelos. Como é óbvio, alguns modelos tiveram um sucesso imediato e estão a ser pedidos constantemente. Nestes eu tento criar em cada um algum tipo de pormenor que o torne único.

Foi também o ano de todas as liberdades criativas e dos maiores e melhores resultados (com alguns desaires á mistura, como é natural).



Quando o desenho não é sugerido pela pessoa que me pede uma anilha a liberdade de criar e/ou recriar é toda minha e, por norma tudo começa no desenho e na concepção da peça em 2D (e 3D, na minha cabeça . . .) testando dimensões, formas, cores, detalhes, entalhes, ... por vezes até à exaustão . . . tudo para que o resultado final seja não só belo e atraente mas também prático, fruível e duradouro.


Uma coisa posso garantir:

no "fim das contas", NINGUÉM SE DIVERTE MAIS DO QUE EU!


Sejam felizes.
Até já (quinze dias mais coisa menos coisa)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...